segunda-feira, 13 de abril de 2009

Michigan J. Frog


G. pergunta:

o que tomo por amor
afinal?

ato contínuo brota
de meu casposo couro
cabeludo reluzente
cartola; da mão direita
uma bengalinha;

as solas dos pés
mudam-se em cascos

pouco depois G. torna:
você está sapateando – dá
pra você por
favor parar de sapatear? Eu te fiz
uma pergunta

com isso a paga da orquestra
fantasma; seus fraques sublocados;
a espalhada pela noite
de lotações; trens; ônibus
adentro
desço da cadeira

sorrindo ainda, & muito cioso
de que estamos num botequim;

plena esquina; Constante

com Nossa Senhora; ainda
não sei que Fúrias é isso,
(que tomo por) amor

3 comentários:

SB disse...

Nostálgico; hilário; belíssimo!

Conceda-nos uma aparição ainda que virtual...

SB

nora disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
seesaw disse...

tu brotas como eu broto?