sábado, 25 de outubro de 2008

Introdução ao Baile, II


"Por causa de quem você segue vivo? Você fica, ou você vai, você se permite deslocamentos muito pouco práticos e as mais incômodas paralisias, e isso tudo por quem? Quem que te atiça tanto ao ponto de fazer as coisas que você faz ou mesmo ao ponto de fazer qualquer coisa? Já não é bastante absurdo, isso de ficar fazendo coisas a todo o tempo? Mudar de cidade, de país, de continente, cogitar os anéis de Saturno? Quem são teus motivos? Tuas motrizes? Quem dá a cartada, e o que há nessa cartada que ela é tão alguma coisa ao ponto absurdo mais-que-absurdo de você se sentir compelido a dar uma cartada de volta, a reagir, a não estar morto?"
(do conto "Introdução ao Baile")

Um comentário:

Ramon Alcântara disse...

Nossas relações sempre são objetais, isto é, uma entidade que atrai a atenção e/ou satisfaz a uma necessidade. A pergunta está na mesa. Quem?

abzzz