domingo, 16 de setembro de 2007

Thomas Bernhard

"´Falar com pessoas que acabamos de conhecer é cansativo e nos faz pensar. Divertir-se às custas delas não é correto; levá-las a sério tampouco é. Trata-se sempre da velha questão de saber até que ponto se deve fazer contato, se se deve mesmo fazer contato, não acha, doutor?... Contatos´, disse o príncipe, ´... como o senhor costuma dizer, doutor, só existo na medida em que faço contatos etc.... mas isso desperta sempre em mim o elemento irônico da minha personalidade... A ironia que atenua o insuportável... Deter-se na fronteira da neurastenia... Penso: fui amável demais com Huber ou fui pouco amável demais com Huber? E como me saí com Zehetmayer? Porque a idéia de ter sido demasiado amável ou demasiado pouco amável me acode sempre de súbito quando alguém vai embora. Entretanto fui bastante amável com Huber, penso. E também com Zehetmayer fui bastante amável. Com quem fui menos amável foi com Henzig; foi uma conversa muito curta, um encontro, um insultar-se com antipatia. Henzig, penso, é o administrador ideal´".
(Thomas Bernhard, "Perturbação")

2 comentários:

tiago disse...

coincidência das coincidências, encomendei hoje "the voice imitator".

Nome de quem? disse...

NÃO FALA COM POBRE, NÃO DÁ MÃO A PRETO, NÃO CARREGA EMBRULHO
PRÁ QUE TANTA POSE DOUTOR?
PRÁ QUE ESSE ORGULHO?
A BRUXA QUE É CEGA, ESBARRA NA GENTE, A VIDA ESTANCA
O INFARTO TE PEGA DOUTOR, ACABA ESSA BANCA

A VAIDADE É ASSIM, PÕE O TONTO NO ALTO, RETIRA A ESCADA
FICA POR PERTO ESPERANDO SENTADA
MAIS CEDO OU MAIS TARDE ELE ACABA NO CHÃO
MAIS ALTO O COQUEIRO, MAIOR É O TOMBO DO TONTO
AFINAL, TODO MUNDO É IGUAL, QUANDO O TOMBO TERMINA
COM TERRA POR CIMA E NA HORIZONTAL

(Billy Blanco)